29Um estudo realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos  mostrou que o número de concussões cerebrais em crianças e adolescentes de 0 a 17 anos  pode ser maior do que se imagina.

De acordo com a pesquisa, a diferença entre a totalidade de casos ocorridos e notificados chega a 82%. Isso acontece porque os registros são baseados nos atendimentos ocorridos nos prontos socorros, entretanto, a maior parte dos pais procura o pediatra, quando a criança cai e bate a cabeça.

Leia mais:

No Brasil, segundo o neurologista Renato Anghinah, coordenador do núcleo de neurologia do Hospital Samaritano, estima-se que entre 400 mil e 500 mil pessoas não procurem socorro algum quando batem a cabeça de forma mais agressiva, recebendo apenas a ajuda de quem está por perto na hora do trauma, como pais, professores, técnicos e amigos.

“Muitas vezes, a concussão é negligenciada. Se a criança bate a cabeça de forma mais importante, ou se houve a batida, mas os pais não sabem exatamente o que aconteceu  (quando a criança cai na escola, por exemplo), a melhor conduta é levar ao hospital para um neuropediatra fazer uma avaliação e uma tomografia”, alerta o médico.

Sintomas
A concussão nada mais é do que um tipo de lesão cerebral, que pode ocorrer por conta de  uma queda, batida, ou mesmo após uma chacoalhão forte, como na síndrome do bebê sacudido, ou em uma freada muito brusca com o carro.

De acordo com Aghinah, os sintomas após a queda, ou batida, são os primeiros sinais de que algo mais sério aconteceu. Assim, se a criança ficar confusa, tonta, com náuseas, apresentar vômito, ou perder a consciência por alguns segundos, é preciso levar ao médico o quanto antes para verificação.

Nos bebês, que ainda não se expressam verbalmente, os pais devem prestar atenção ao comportamento. Irritabilidade, sonolência e choro excessivo mostram que há algo errado acontecendo.

O médico lembra que galos e calombos sozinhos não são sinais de concussão, eles indicam apenas a ocorrência de uma batida um pouco mais forte.

Falta de tratamento
Na maior parte dos casos, observar a pessoa com suspeita de concussão por uma hora é o suficiente. Após esse período, a criança, se desejar, pode dormir.

Em algumas pessoas, contudo, os sintomas da concussão podem aparecer mais tarde, depois de dias, o que é chamado de sintomas tardios. A pessoa pode desenvolver dor de cabeça, problemas de sono e até, no caso das crianças, haver queda no rendimento escolar. Estes sintomas podem ou não desaparecer com o tempo. Portanto, ao observá-los, é importante procurar auxílio médico.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here